É com tristeza que a São Paulo Review continua a série colaborativa, entre mais de 30 escritores nacionais bastante conhecidos do público, com homenagens às crianças assassinadas em tiroteios nas comunidades cariocas.

Cada autor escreve sobre uma das crianças vítimas da barbárie.

Asseguramos a qualidade do teor literário dos trabalhos e assim gritamos bem alto com a arma que nos cabe, a da palavra, contra a violência a que estamos vivendo.

***

* Por Reynaldo Damazio *

Queria ver meu filho jogar bola

na praça, qualquer uma

andar de bicicleta num parque

cheio de sombras, vivas

olhar com ele a lua como se ali

flutuasse uma boa pizza

ler os primeiros livros e dizer o

que as palavras ensaiam

tomar sorvete até se lambuzar

de tanto tempo perdido

sem ter a pressa de chegar ao

fim de nada e sempre ir

mais além de sua voz e do seu

suspiro quando a luz se

apaga e nossos corpos são um

só corpo e um só sonho

que nenhuma bala perdida ou

precisa ou exata bem no

momento infinito em que tudo

se desfaz e estanca como

o sangue no meu ventre ainda

pulsando, sem que possa

segurar sua mãozinha delicada

e cantar ainda o acalanto.

*

Reynaldo Damazio é poeta, autor de Horas perplexas (Editora 34), entre outros

Tags: